Informação é coisa séria

Real digital: conheça a moeda virtual brasileira

O Banco Central planeja lançar até 2024 o real digital 

Será uma CBDC (Central Bank Digital Currency), moeda alternativa, mas com o mesmo valor do dinheiro tradicional que levamos na carteira 
A diferença entre a moeda atual e o real digital é que este não poderá ser convertido em cédulas. O cidadão receberá códigos gerados pelo Banco Central indicando os valores 
A intenção do governo é que o real digital faça parte do cotidiano da população. Poderá ser usado em pagamentos, compras, transações e investimentos 
Um alerta: o real digital não é uma criptomoeda. As criptomoedas são privadas, têm características de investimentos e não são reguladas pelo BC 
No Senado, o PL 3.825/2019, do senador Flávio Arns (Podemos-PR), regulamenta as criptomoedas, na tentativa de fiscalizar e dar segurança jurídica a esses ativos 
O projeto é relatado pelo senador Irajá (PSD-TO), que pretende fazer um grande debate sobre o assunto no Senado para construir seu relatório de regulamentação das criptomoedas 
O real digital, por sua vez, será emitido pelo BC e distribuído por meio de bancos, instituições financeiras e demais participantes dos atuais sistemas de pagamentos 
Uma das vantagens é seu uso em qualquer lugar do mundo, sem necessidade da conversão por meio de bancos. Também reduz a emissão do papel-moeda 
O real digital deve inibir a lavagem de dinheiro e estimular a inovação e a concorrência no ambiente virtual, de acordo com o Banco Central 
Dados do BC revelam que a digitalização já começou. Apenas 3% do dinheiro disponível para as operações no país estão na forma de papel 
Quase R$ 9 trilhões são depositados e negociados digitalmente 
As transações realizadas em dispositivos móveis, como celulares e tablets, cresceram 35% de 2019 para 2020, segundo o BC 
De acordo com o Banco de Compensações Internacionais (BIS), mais de 80% dos bancos centrais do mundo estão desenvolvendo moedas digitais 
Em outubro de 2020, as Bahamas foram o primeiro país a lançar uma CBDC, o dólar de areia. Outros exemplos de países que usam moedas digitais são China, Estados Unidos e Japão 
texto
Paola Lima
Fonte: Agência Senado 

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem