Informação é coisa séria

Casas Familiares são selecionadas pelo Criança Esperança

Instituições oferecem formação técnica para jovens do Baixo Sul baiano

Duas Casas Familiares parceiras da Fundação Norberto Odebrecht serão beneficiadas novamente pelo Criança Esperança em 2022. A Casa Familiar Rural Presidente Tancredo Neves (CFR-PTN) e a Casa Familiar Agroflorestal (CFAF), localizadas no Baixo Sul baiano, receberão recursos para ajudar a financiar o ensino técnico para filhos de agricultores familiares da região, nos cursos de Agropecuária e de Florestas integrados ao Ensino Médio. Com um modelo de ensino adaptado à zona rural, no qual os estudantes passam uma semana na escola e duas semanas em suas propriedades e aplicam seus conhecimentos diretamente em seus cultivos, as escolas contam, atualmente, com 245 alunos.

A seleção das escolas reconhece como a metodologia adotada beneficia os jovens que vivem no campo, inclusive durante a pandemia, quando os estudos teóricos foram realizados de forma remota. É o que explica Thales Lima, diretor da CFR-PTN. “O nosso projeto inova ao oferecer uma educação integral e apoio produtivo, viabilizando que os jovens e suas famílias permaneçam no campo. Nós também fomentamos o incremento de renda, o empoderamento, o protagonismo juvenil e a visão de futuro destes estudantes”, diz. Nas Casas Familiares, o ensino é contextualizado: as matérias são conectadas ao dia a dia no campo, como nas aulas de Matemática, nas quais os estudantes calculam peso e quantidade de adubos e colheitas. Durante o tempo em casa, os jovens são acompanhados por monitores e compartilham o conhecimento com sua família e comunidade.


Larissa é uma das estudantes das Casas Familiares: "eu já estou colhendo os frutos desse estudo".

Com a doação, as Casas Familiares irão fortalecer a formação dos estudantes no ano que vem, como sinaliza Rita Cardoso, diretora da Casa Familiar Agroflorestal. “Os recursos vão para o pagamento de monitores, a alimentação dos jovens, o apoio nas visitas de acompanhamento e os Projetos Educativo-Produtivos [quando os jovens recebem auxílio para implementar seus primeiros cultivos]. Afinal, são essas ações que movem a educação no campo”, conta. Esta é a segunda vez que a CFAF é contemplada pelo Criança Esperança. Já a Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves foi selecionada pela terceira vez pela campanha.

Larissa de Jesus, de 17 anos, está no terceiro ano de formação na CFR-PTN. Na escola, ela tem a oportunidade não só de aprender, mas também de gerar renda. “Eu mudei a minha realidade e da minha família. Com os Projetos Educativo-Produtivos, atualmente nossa maior renda vem da agricultura familiar. Só tenho a agradecer pela oportunidade de receber educação de qualidade e poder permanecer no campo. Eu já estou colhendo os frutos desse estudo”, relata a estudante. Ambas as escolas são reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC) e pela Secretaria de Educação da Bahia (SEC) e fazem parte do Programa de Escolas Associadas da UNESCO.

Exemplo contra a evasão escolar

O ensino contextualizado e o modelo de alternância adotados ajudam a criar uma identificação entre os jovens e as Casas Familiares, e contribuem para diminuir o índice daqueles que desistem de estudar. Outra escola rural que usa esta metodologia no Baixo Sul baiano, a Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I), já foi contemplada pelo Criança Esperança - e também apresenta essa tendência entre seus alunos. Juntas, as três unidades atingem taxas de evasão escolar menores do que a média nacional: apenas 3,3% dos matriculados deixam os estudos, número muito menor que o índice brasileiro, de 20,2%, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua).

Outro motivo que leva aos bons resultados alcançados pelas três Casas Familiares é a relação com outras instituições. Além de contar com diversos investidores sociais, as escolas são parceiras da Fundação Norberto Odebrecht na realização do PDCIS, um programa social que promove o desenvolvimento territorial sustentável no Baixo Sul da Bahia. Há 18 anos, o programa reúne poder público, iniciativa privada e sociedade civil para fortalecer a agricultura familiar e o protagonismo juvenil, respeitando a vocação das comunidades beneficiadas para alavancar crescimento econômico em harmonia com o meio ambiente local.

Fonte: Fundação Noberto Odebrecht 

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem