Isaquias Queiroz conquista o ouro na canoagem em Tóquio e já soma quatro pódios olímpicos

Foto: Miriam Jeske/COB


Isaquias Queiroz entrou de vez na galeria dos maiores atletas olímpicos da história do Brasil. Neste sábado, 7, ele conquistou o ouro na prova C1 1000m da canoagem velocidade nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Foi sua quarta medalha olímpica, feito que o coloca atrás apenas dos velejadores Torben Grael e Robert Scheidt, com cinco láureas cada um, na lista dos maiores medalhistas do país na história olímpica. Isaquias agora integra o seleto grupo que já conta com Serginho, do vôlei, e Gustavo Borges, da natação, com quatro pódios.

O canoísta baiano de 27 anos dedicou a vitória ao seu falecido treinador, Jesus Mórlan, que o levou a ser o primeiro atleta brasileiro a conquistar três medalhas em uma mesma edição de Jogos, no Rio 2016.

“Muito feliz de poder ganhar essa medalha de ouro para o Brasil. Uma emoção muito grande, me dediquei muito desde 2016 até esse exato momento. A medalha no C2 não veio. Nosso objetivo era representar nosso querido treinador, Jesus Morlán, que faleceu em 2018 e conquistou nove medalhas, com essa de hoje, importantes na nossa carreira. Muito feliz de poder estar realizando esse sonho”, disse Isaquias ao COB.

O brasileiro fez uma grande prova no Canal Sea Forest, na baía de Tóquio, e terminou com mais de um segundo de vantagem para o segundo colocado (4m04s408). A medalha de prata ficou com o chinês Hao Liu, com o tempo de 4m05s724, e o bronze, com Serghei Tarnovschi, da Moldávia, com 4m06s069. Isaquias também havia dominado a sua semifinal, chegando em primeiro, à frente de Serghei Tarnovschi, da Moldávia, de Conrad Scheibner, da Alemanha, e de Zheng Pengfei, da China.

O canoísta havia terminado a final do C2 1000m, na quarta-feira, 4, na quarta posição ao lado de Jacky Godmann. Depois da disputa, ele chorou, passou mal e decidiu que entraria na briga por medalhas no C1 1000m com disposição redobrada. Atleta do Flamengo, ele treina há sete anos em Lagoa Santa, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte. Desde que Jesus morreu, no fim de 2018, os treinos são comandados por Lauro de Souza Júnior, o Pinda.

Com Informações do COB

Deixe seu comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem